Alive from Maputo #3

by - 24.5.14


De manhã houve reunião de votação de projetos do OP num dos bairros de Maputo. Foi interessante perceber como se processa uma reunião destas por aqui, como se mobiliza e organiza a comunidade. Mais um daqueles momentos de aprendizagem, para mais tarde recordar. E bom, foi também um momento de intervenção comunitária que me deixou entusiasmada.

À tarde fui descobrir a cidade aos olhos de uma amiga que vive cá há dois anos. O primeiro sítio onde me levou foi o mercado de artesanato onde pude comprar umas lembranças e regatear os preços. Ela disse que eu me saí bem e que consegui bons preços tendo em conta que sou branca. Aí está, aqui a cor da pele inflaciona a coisa. Mas a cor da pele também nos torna um alvo atrativo, o que significa que se quiserem que eu compre, têm que baixar o preço. Ou isso ou nada. E foi nisso que me concentrei a cada compra. Acho que já vinha com alguma prática de Istambul. Aqui fiz muito melhores negócios. As coisas são baratíssimas e lindas! Apetece deixar aqui a roupa toda e encher a mala com artesanato. 






Depois fomos pela marginal até à praia. Uma espécie de praia, que não é oceano, é o rio que desemboca numa baía antes de chegar ao mar. Pelo caminho comprei uma água de cana de açúcar com limão. Basicamente eles espremem a cana de açúcar e o limão com uma prensa e vai saindo o sumo. Doce que só provando e com um travo a limão que é delicioso. Indescritível! Espero é que isto não me faça mal, por aqui tenho que ter muito cuidado com as coisas que meto à boca. Não resisti a provar!

Bom, ainda fizemos mais coisas, andámos de carro pela cidade e falámos de montes de coisas relacionadas com a vida por aqui. Mas estou cheia de sono agora, não me apetece escrever mais. Não tenho dormido bem desde que estou em Maputo, a cidade não dorme e não sei como nem porquê, mas os sons entram-me todos pelo quarto adentro, apesar de estar num 9º andar. Agora mesmo há música a bombar vinda de um festival qualquer que está a decorrer. Isto é uma animação, pensam o quê? Em Quelimane, não fossem os ratos e as osgas e os taxi-bicicleta, não teria havido nada para contar, mas aqui a cidade polvilha de gente, de carros... de vida!



You May Also Like

2 comentários

  1. Gostei de ler que estás em Maputo...tenho família ai e sempre quis visitar, mas meto um misticismo à volta do país em si que acho que não é ainda...vou correr outros pontos do mundo primeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, ando há duas semanas em viagem por Moçambique. Verdade que há uma série de questões aqui, sobretudo políticas e sociais, que devem ser levadas em conta. É uma realidade diferente da nossa. Mas tenho-me sentido muito bem acolhida e muito segura aqui, de uma forma geral as pessoas são muito simpáticas. Maputo em si é uma cidade muito interessante.

      Ainda por cima se tens quem te receba, é um destino que aconselho vivamente.

      Eliminar