O cão dorme connosco. Não sei em que parte falhei na educação do bicho mas o que certo é que deixei-me manipular de tal forma que ele só dorme se for na cama. Tenho a sensação que tudo começou quando ele era muito pequenino e eu o fui buscar pela primeira vez para dormir no meu colo, porque começou a ganir por ficar sozinho. Mal sabia eu a merda que isto ia dar!
Lembro-me das regras iniciais: "Está bem, ficas no quarto, mas na tua cama, a que está no chão". Ele ficava, mas pela manhã estava sempre na minha cama. Lembro-me da outra regra: "Pronto, podes ficar em cima do cadeirão". Ele ficava, mas imaginem onde estava pela manhã? Ainda houve a regra do: "Ok, basta, vais dormir na rua". Mas quem resiste a ouvi-lo ganir à porta do quarto? Mais importante que tudo, sempre prevaleceu a regra do: "Não dormes debaixo dos lençóis.". E no outro dia, com este episódio, deixei-o dormir juntinho a mim para o consolar. Agora quando acordo de manhã o cão já arranjou maneira de se pôr debaixo dos lençóis sem ninguém dar por isso.

É por estas e por outras que convém arranjar um cão antes de se ter filhos: para nos dar anticorpos face às estratégias de manipulação psicológica do "Sou muito fofinho, vais-me dizer que não?". Para a próxima já não me enganam!

4 comentários

  1. Ahah eu sempre tive cães em casa mas nunca dormiram comigo, sempre foi regra. Agora que sai de casa dos meus pais ainda não tenho nenhum cão, mas quando tiver espero manter a regra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também sempre tive cães. Dos grandes. este é um pimpolho pequeno e eu a estes ainda não estava imune! :)

      Eliminar
  2. ahahah foste apanhada, agora aguenta =P

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Eu que até acompanho o "Encantador de cães" e acho que percebo muito daquilo... pumba!

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.

Instagram