A quanto resiste uma amizade?

by - 16.4.15

Apaguei as primeiras linhas que escrevi. Apaguei porque me apetece ir directa ao assunto e evitar qualquer tipo de subterfúgio. Ando às voltas desde há umas semanas a esta parte, com um aperto pequeno no coração, a reflectir sobre a amizade. Não colecciono amizades e não me encanto por qualquer pessoa, mas é certo que tenho conhecido boa gente com que já partilhei muitos momentos. Pessoas que tenho a sorte de dizer que são minhas amigas, que admiro e considero especiais, que estando mais longe ou mais perto vão preenchendo a minha vida.

Sempre achei que uma amizade não é feita de todos os momentos, mas sim daqueles que, apesar de toda a vida que acontece quando estamos separados, escolhemos ter a cada reencontro. Não obstante todas estas certezas sobre a amizade, o que me tem inquietado é esta pergunta constante dentro de mim: a quanto resiste uma amizade? A quanto afastamento? A quanto tempo sem nos vermos? A quantas conversas que não temos? A quantos momentos únicos da vida que acontece e que acabamos por não partilhar?

Isto inquieta-me porque sinto que, com alguns dos meus melhores amigos tem sido assim ultimamente: cada vez há mais motivos para não estar, para não ir, para não nos encontrarmos. No fundo não se fazem cobranças, percebe-se que a vida é mesmo assim, que há-de haver um dia em que vamos ter aquele momento especial para nos encontrarmos, mas, na verdade, o que acho é que no meio de tudo isto há uma vida que acontece e não é partilhada com aqueles que nos fazem mais sentido. Parece-me que se calhar, mais cedo ou mais tarde, um dia se reflectirmos, percebemos que a amizade precisa, sobretudo, de partilha e que ao arranjarmos motivos para não partilhar, acabamos por condená-la. Condená-la ao quê? Talvez a ser um esquisso daquilo que poderia ter sido de verdade.

You May Also Like

9 comentários

  1. Acho que depende muito de caso para caso. Tenho uma amiga com quem falo muito esporadicamente. Mas quando falamos e quando estamos juntas é uma alegria, falamos de tudo e de todas as novidades e das coisas que se têm passado na nossa vida.
    Em compensação, há aquelas pessoas que com a distância parece que menos se têm para falar.
    No fundo, acho que não é tanto a quantidade de vezes com quem estamos ou falamos com alguém mas sim, como dizes, a vontade que se têm de partilhar a nossa vida com essa pessoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho amizades dessas e são fantásticas. Mas não deixo de me interrogar sobre isto, ando com a nuvenzinha aqui na cabeça. Não sei de onde vem, ou para onde vai... mas apeteceu.me partilhar a reflexão porque há amizades que resistem como tu disseste mas há outras que acabam por se transformar numa coisa estranha e difícil de definir. Acho que gostava que algumas das minhas amizades fossem mais intensas. E contra mim falo, porque cabe-me a mim também fazer por isso. Aliás... não escrevi isto para apontar dedos, apenas para reflectir e ver o que o pessoal pensa sobre o assunto! :)

      Eliminar
  2. Não te sei responder porque também ando com a mesma dúvida.

    ResponderEliminar
  3. Que questão difícil! Mas o que me entristece mesmo é quando as amizades acabam porque as pessoas mudam e, de repente, estás com uma pessoa tão diferente daquela que era tua amiga que deixa de fazer sentido. Quem disse que a vida era fácil enganou-se redondamente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha disso não tenho que me queixar. Acho que eu mudo, os meus amigos mudam, mas há coisas em nós, na nossa essência que permanecem inalteráveis.

      Eliminar
  4. Uma questão pertinente. Tenho amigos com quem não falo habitualmente e continuamos com uma relação forte. Outros, os tais que só se lembram via Facebook, que é como eu lhes chamo, vão ficando mais longe. Acho que é normal. Há pessoas que vão ficando na nossa vida, outras vão desaparecendo.

    ResponderEliminar
  5. Acho que quando a amizade é verdadeira, resiste a muita distância, atrevo-me até a dizer a anos de distância. Tenho uma amizade dessas, em que estivemos 2/3 anos sem nos sentamos à mesa de um café a pôr a conversa em dia, e sai de lá a pensar, que embora muita coisa ao longo deste tempo não tenha sido partilhado com essa pessoa, a nossa amizade estava no mesmo ponto, desde a última vez que nos tínhamos sentado frente a frente! Contudo, quando nos apercebemos que as amizades não são assim tão verdadeiras, vamos sentido que estamos muito longe das pessoas e quando nos sentamos frente a frente, lá de tempos a tempos, as coisas de fato já não são o que eram... sente-se que as pessoas já não são tão verdadeiras connosco, nem há aquela cumplicidade no olhar. Ao fim ao cabo ao fazer essa tua reflexão, percebe-se que a vida traz-nos e leva-nos pessoas, bem como sentimentos... E estou numa fase da vida em que já não dou valor a algumas amizades que percebi que afinal não são assim tão verdadeiras. Dou valor sim, aquelas, que independentemente do resto, estão sempre prontas para me apoiar! Mas percebo a tua "inquietação", e reflexão... de vez em quando na vida temos que parar um pouco para refletirmos sobre determinadas coisas... Beijinhos grandes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Eu também pensei que a amizade para mim era uma coisa clara e definida. Mas se calhar não é. Se calhar nunca vai ser. Se calhar nem tenho que me preocupar com isso! :)

      Eliminar