QUATRO ELEMENTOS. 

Pela primeira vez deixei o 6 on 6 para os últimos dias (mesmo os últimos, acreditem!) e ainda assim escolhi todas as fotos para depois perceber que não estava especialmente agradada com nenhuma. Deixei para depois o texto por escrever sabendo que algo ia ter que mudar, o caminho não era por ali. Não estava inspirada e por isso apaguei tudo e comecei de novo.



O recomeço deu-se com a gaivota. Voou baixinho até pousar à minha frente numa manhã movimentada ao pé do mercado de Olhão. Quando me aproximei olhou-me desconfiada e atenta, acho que dividida entre a vontade de ficar no seu mais recente poiso ou voltar a voar. Senti que a decisão dela, entre o ir e o ficar, dependeria um pouco de mim e da forma como me comportasse, estando ali tão perto. Aproximei-me devagar e entendi onde estava a barreira invisível que me permitia fotografá-la e deixá-la confortável com a minha presença. Nessa altura já tinha visto nela a senhora dominante de três elementos: a água, a terra e o ar.  





O fogo revelou-se o maior desafio. Encontrei a água fresca, cristalina e serena em movimentos de ternura contra os degraus de uma doca, percebi o ar no movimento das fitas baloiçantes e coloridas penduradas numa ruela e a terra estava ali, omnipresente no esquiço de uma planta verde e resistente às portas de um telhado. Mas onde encontrar o fogo? 






















Enquanto atravessava o mercado dos legumes cheio de gente questionava-me sobre ele, o fogo, o quarto elemento em falta. Lembrei-me que poderia ser o caso de em casa fotografar uma vela, um churrasco ou a chama de um fogão, mas no fundo percebi que não era por aí, não queria que fosse tão óbvio. Fui caminhando, desbravando ruas e sabendo que com um olhar atento haveria de descobri-lo algures. Na fachada da Casa das Artes cruzei-me com as buganvílias de sempre e li nelas, pela primeira vez, a cor intensa do fogo, numa mistura de amarelo com laranja e rosa resplandecentes à luz da manhã. Quando procuramos muito algo acabamos por encontrá-lo. :) Como se não bastasse descobri-lo ali, tão secretamente representado numa flor, ainda lhe vi as chamas desenhadas numa parede mais à frente, na tinta amarela corrompida pelo tempo.



O que me dizem os quatro elementos? Que se cruzam, que estão implícitos em tudo e que podemos encontrá-los juntos muitas vezes, o que mostra a sua complementaridade. Agora mesmo que escrevo isto pergunto-me qual dos quatro elementos é o meu, aquele com que mais me identifico. Não sei se há resposta para isso, limitar-me a um, atrever-me-ia a dizer, não faz qualquer sentido. Sou todos, preciso de todos e é nessa existência dos quatro dentro de mim que vivo serena ou borbulhante de emoções, capaz de criar e dar vida e de ficar ou voar desprendida.

Onde terão as outras cinco meninas encontrado os seus quatro elementos? Venham daí, vamos espreitar! :)

10 comentários

  1. Sinto-me como tu - não sei bem qual o meu elemento. Acabo por achar que me identifico com todos - tenho uma faceta para cada um! Enquanto não o descubro, vou saltando... :)

    Gostei muito das tuas interpretações - e a foto das flores está linda! Que cores!

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. És mesmo criativa! Adorei a ideia de juntares 3 elementos numa só foto e ainda da chama abstracta que viste na parede, essas são exactamente as minhas fotos favoritas!

    Obrigada por contares um pouco do "backstage" deste 6 on 6 :D

    ResponderEliminar
  3. Adorei! E as fotos estão fantásticas :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito dos teus clicks deste mês, Vânia e achei que deste muito bem a volta ao fogo. Acho que uma das melhores partes deste desafio é mesmo ver como cada uma de nós interpreta as coisas e dá a volta às dificuldades.
    A foto da gaivota é a minha favorita, foi mesmo bem apanhada e na altura certa! :)


    Joan of July

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. E foi necessária muita paciência (minha e da gaivota para me aturar ali a olhar para ela) para captar o momento certo :)

      Eliminar
  6. A da gaivota está linda! <3 e adorei a interpretação que deste à da fachada da casa. Muito bem visto! Engraçado que ambas conseguimos ver a terra no ar, ou seja, as plantas no topo de edifícios. Eheh :)

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.

Instagram