Sou uma fanática da organização ao ponto de ficar com fernicoques se vejo papelinhos e merdinhas espalhadas sem nexo por cima de móveis e outros que tais. Isso agregado ao facto de que não sobra propriamente espaço para guardar tudo aquilo que tenho, obriga-me a ter algum método na forma como arrumo os meus essenciais. Portanto querem saber que ideias me guiam neste mundo da organização? Follow me! :)

1. Praticar o desapego
Não acumulo. Todos os anos, uma ou duas vezes por ano, num daqueles dias em que acordo inspirada (acreditem, estar inspirado é essencial), dou uma volta a tudo e o que não uso e não me faz falta (ou já não está em bom estado), tem dois destinos possíveis: i) doar a alguém que precise mais do que eu; ii) lixo. Assim resta-me o que realmente uso e, consequentemente, fico com mais espaço livre para organizar. Um outro destino possível para o que já não se quer é a venda desses artigos em feiras de velharias ou até mesmo na net. Experimentei as feiras durante algum tempo mas quando fiz as contas ao que ganhava (quando achamos que já estamos a vender as coisas baratíssimas as pessoas ainda começam a regatear), mais às horas a que tinha que me levantar para conseguir vaga, percebi que estava a perder dinheiro e deixei a ideia de lado. Não obstante, é uma dica interessante e se formos com amigos é bem divertido.



2. Caixas, caixinhas e caixotes
Poderia continuar com cestos, cestinhos e cestões, frascos, frasquinhos e boiões. Basicamente tudo o que sirva para guardar algo dentro deve ser aproveitado na tarefa de organizar. Este tipo de objectos ajuda quando nos falta gavetas, prateleiras ou outros tipos de divisórias nos espaços onde queremos colocar os nossos pertences. Assim tudo fica separado e é mais fácil de localizar quando precisamos, para além de que automaticamente a divisão fica com um ar mais arrumado, muito melhor do que quando está tudo espalhado. Ganha-se espaço, acreditem. Nem sequer é uma solução que sai cara se formos imaginativos. Eu recorro muitas vezes ao Continente porque vendem muita cestaria que comparativamente com outros locais sai mais em conta e é bem gira. A H&M Home online também tem opções engraçadas para arrumação, se quisermos ser mais originais na decoração. Além disso podemos sempre aproveitar os frascos de vidro do molho de tomate ou da compota e reutilizar depois de devidamente lavados. Há ainda as caixas de sapatos que podem ser forradas e personalizadas com papel de jornal ou revistas, em jeito de colagens. Como vêm, basta sermos imaginativos com aquilo que temos à mão. A palavra de ordem é reutilizar!  



3. Agrupar por tipologias
A roupa, os sapatos, as malas, os agasalhos, os colares, os acessórios de praia, o material do camping, as bolachas, as especiarias, as chávenas, os pratos... and it goes on and on and on. Se formos muito malucos (como eu) até podemos experimentar fazer o exercício de criar subtipologias e agrupar as roupas por estação, por tipo de peça e, maluquice das maluquices, por cores, ou separar a bijuteria barata das jóias, os lenços dos cachecóis e as malas das clutches... Seja a um nivel básico ou mais aprofundado, etiquetar é essencial na tarefa de organizar e de distribuir os essenciais pelos cestos, prateleiras e gavetas. Olhar para o que temos e procurar formas de agrupá-lo ajuda bastante sobretudo na hora de procurar. Além disso saber que numa caixa temos todas as botas e que no canto superior direito da prateleira temos todos os chás, ou que no cesto perto da secretária estão todos os tinteiros da impressora ajuda a encontrar muito mais rápido o que precisamos. Acima de tudo auxilia-nos a perceber o que temos e com isso evitamos estar a comprar o que não precisamos só porque nos esquecemos de determinado objecto que estava tresmalhado do seu rebanho, perdido na gaveta X que raramente abrimos. Poupa-se tempo e dinheiro.


4. Preservar aquilo que é realmente importante
Se há objectos que podemos simplesmente atirar para dentro de uma caixa ou gaveta, há outros que devem ser guardados com mais cuidado, seja porque foram caros, porque queremos que durem muito tempo, porque têm um valor especial ou até mesmo porque deformam ou são mais vulneráveis à humidade, aos pós ou outros factores externos que os podem modificar. Há coisas que simplesmente sabemos que são intemporais, ou valiosas para nós e que por isso vale a pena estimar. Alguns dos cuidados que tenho com os meus essenciais preferidos são: i) acondicionás-los em saquetas de tecido e caixas de cartão ou plástico com tampa. Ainda que os guarde junto de outros do mesmo tipo, dou-lhes uma protecção adicional. O importante é que fiquem mesmo bem tapados e não susceptíveis a riscos, pó, humidade ou o que seja; ii) Não guardar de uma estação para a outra artigos que tenham estado em contacto com o corpo e não sejam lavados. Aplico sempre isto aos sapatos, por exemplo, mas também dá para casacões que tiveram muito uso no inverno, malas de pele, etc. iii) Desumificador no roupeiro e saquinhos de lavanda nas gavetas. Além de prevenir a humidade e afastar as traças, vai deixar a nossa roupa muito mais perfumada. Isto pode valer também para as despensas e armários da cozinha.



5. Ter por perto o que faz sempre falta
Se todos os dias ao pequeno almoço utilizo ingredientes para cozinhar como aveia, frutos secos ou sementes diversas, então se calhar não faz sentido estes estarem guardados numa prateleira na despensa. Não é funcional e implica deslocar-me mais para os obter. Se todos os dias utilizo óculos de sol ou jóias, não faz sentido ir guardá-los numa caixa fechada dentro do roupeiro. Isto para dizer que há o perto e o longe e nós vamos querer perto de nós, de forma acessível e rápida, os essenciais do dia-a-dia. O resto, os gorros que só usamos no inverno ou o conjunto de chávenas ao qual só damos uso quando temos convidados em casa, esses podem estar guardados mais longe, na prateleira X dentro do armário Y. Isto pode implicar que, no caso da roupa e acessórios por exemplo, porque variam de estação para estação, tenhamos que trocar de lugar esses essenciais consoante a altura do ano. Para ajudar nisto comprei para o meu quarto um charriot, por exemplo. Ajudou-me a não sobrecarregar o roupeiro, ficando a roupa com mais espaço entre si e a ter sempre à mão as peças essenciais para cada estação. Claro que isto implica que tenho que trocar as peças que lá penduro consoante a época do ano, mas a verdade é que no dia-a-dia torna o acesso à roupa muito mais rápido e prático. 

Agora contem-me lá vocês: são freaks da organização, como eu, ou mais relaxados com estes assuntos? E, já agora, que outras estratégias utilizam para organizar?  

2 comentários

  1. Respostas
    1. Sim. Antes arrumar sempre e despachar a coisa num minuto do que arrumar de vez em quando e perder uma hora ou um dia! :D

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.

Instagram