Há dias que nos enchem o coração, e o Baptimo do Migalhinhas foi assim. Foi um dia de sorrisos, emoção e afetos. Os amigos foram convocados pela Joana e pelo Sérgio para registar o dia com as suas máquinas fotográficas, e eu gostei de cirandar entre as pessoas com autorização para fotografar. 

Fotografar as pessoas em pose não é muito a minha praia, confesso. Não gosto que posem para mim, talvez por insegurança, porque sei que a partir do momento em que alguém está em frente a uma câmara a dar o melhor de si, o resultado tem sempre que ser esse: o melhor. Normalmente as expectativas são altas e como não fotografo em modo automático, detesto a ideia de chegar à conclusão que afinal falhei na luz, ou que a imagem está tremida, ou que tudo o que poderia ter corrido mal, correu e a foto não vai lá nem com edição. Não que costume acontecer, mas as variáveis que temos que controlar para sacar uma foto são muitas, e quando as condições de luz não são as melhores, nem a experiência do fotógrafo, há muito que pode correr mal.


Tentei ser discreta, fotografar os melhores sorrisos e os momentos mais espontâneos, mas há sempre alguém que nos vê com a máquina na mão e quer tirar uma foto um pouco mais, digamos... ensaiada. Levei a grande angular que é um grande catramolho, e a verdade é que acho que as pessoas nos julgam pela máquina que temos (ou que aparentamos ter), e a minha tinha todo o ar de máquina profissional. Portanto, ao passar pelas pessoas no cocktail, depois da cerimónia na igreja, não raras vezes, pediam-me para as fotografar. Isto foi bom porque estava autorizada pelas pessoas a captar-lhes os sorrisos, e obrigou-me a sair da minha zona de conforto.



Estava uma luz fantástica, o verde à nossa volta e o azul da piscina acrescentavam o cenário ideal. Além disso, escolhi a grande angular para fotografar porque gosto da forma como desfoca o ambiente à volta do foco principal, nos close-ups. No caso dos retratos isto funciona bem, na minha opinião, porque enquadra a pessoa num determinado contexto, mas não lhe rouba protagonismo. 


Foi um dia mesmo engraçado e uma experiência de fotógrafa por um dia a repetir. E as minhas Off Sight Partners, por onde terão andado a espalhar os seus cliques? Venham daí! Vamos espreitar tudo, tudo e tudo! :)

8 comentários

  1. Tanta alegria nas fotografias! As pessoas estavam lindas! Felizes! Parabéns pelas fotografias. Gostei muito do blog :)
    Beijinho, Ana Rita*

    https://hannamargherita.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Eu também prefiro as fotos mais espontâneas, acho que elas têm uma beleza inesperada que me encanta!

    ResponderEliminar
  3. Adorei os sorrisos que captaste! Gostei muito do da senhora com o bebé de lado e esta última também é um grande retrato. Não é bom captar sorrisos?

    ResponderEliminar
  4. Uma experiência diferente mas que superaste com distinção, Vânia! E os sorrisos honestos são prova de que és uma fotógrafa confiante :) se bem que, acho que dá para perceber, também sou fã da espontaneidade!

    Jiji

    ResponderEliminar
  5. Não te saíste nada mal nesta experiência de fotógrafa de eventos :P Eheh! Conseguiste retratos bem bonitos. Tal como tu, também sou adepta da espontaneidade e gostei bastante daquela fotografia, em que estão todos a beber com palhinhas. Tão fofa!

    ResponderEliminar
  6. Uau! As fotografias estão um espanto.
    Também sou fã das fotografias em momentos espontâneos.

    ResponderEliminar
  7. Um dia que adorei, sem sombra de dúvidas!

    ResponderEliminar
  8. As fotografias estão maravilhosas, parabéns!! Também acho sempre que as melhores fotos são aquelas em que as pessoas não percebem que estão a ser fotografadas, ficam sempre bem mais naturais e genuínas.

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.

Instagram